quinta-feira, 9 de julho de 2009

Além do gesto


O teu vizinho acena com os olhos
porque as mãos, no gesto previsíveis,
apenas cumprem ritos repetidos.

Entanto os olhos, estes inda movem
a mão que acena dentro da pupila
buscando aldravas, portas no escuro.

Buscando portas, como aos outros olhos,
a tua mão responde, ato contínuo:
também tateia dentro da pupila.

Assim o ato externo, formalista,
oculta, interno, outro, verdadeiro,
que comunica algo mais profundo.

Seja no quarto, sala, ou banheiro,
horas ou dias após o cumprimento,
nenhum dos dois se lembra do aceno

porém nos olhos, dentro da pupila,
prossegue o gesto das mãos se movendo,
buscando aldravas, portas no escuro.

Um comentário:

Betinha disse...

Amei este poema, quem me dera soubesse eu expressar o que se passa em minha'lma, privilégio de poucos.
Quando leio o que gosto, não me resta mais nada a fazer do que elogiar, parabéns, parabéns...

Realmente os "olhos dizem tudo"